December 4 2013

Regina Di Ciommo

Tecnologias de informação e comunicação no trabalho



Novas tecnologias de informação e comunicação transformam o trabalho

Nossa sociedade aprende de várias formas, em diferentes espaços e diversos tempos, tanto através dos veículos formais, como escolas, com mestres, colegas, como com tecnologias avançadas, através das comunicações em rede, na internet ou nos encontros pessoais.

Aprendemos a nos conectar com as pessoas que nos interessam, seja presencialmente como virtualmente. Passamos a formar comunidades de interesses, que se apoiam mutuamente e à distância. As comunidades virtuais estão quebrando o poder da mídia tradicional, da TV e da imprensa escrita. Essas comunidades virtuais estão cada vez mais organizadas e estão mostrando capacidade de ação através da colaboração e da partilha do conhecimento.

Nas comunidades virtuais, nas redes sociais da internet, as pessoas se agrupam por interesses os mais variados possíveis, para lazer ou negócios. Tudo o que conhecíamos através da nossa aprendizagem tradicional passou a ser ampliado e potencializado pela interação em tempo real, sem barreiras de distância. Quem frequenta esses grupos está disposto a melhorar a sociedade em algum setor, outros querem expor os seus problemas, outros tornam ainda mais agudas as tensões e contradições que já existem

Não podemos subestimar o poder dessas comunicações globais através da internet, que está colocando a humanidade diante de novas e importantes transformações. A velocidade da comunicação e das informações atingiu níveis espantosos.

Rapidamente o telégrafo foi substituído e os telefones se transformaram em pequenos computadores cada vez menores e portáteis. No ambiente empresarial até as telefonistas foram substituídas por sistemas centrais automáticos de comunicação, os PABX. Muitos outros setores também passaram a ser comandados por computadores e sistemas integrados, substituindo o trabalho manual humano.

Os computadores pessoais nos levaram a uma era em que os bits estão na vida cotidiana. Os canais de comunicação envolvem todo o planeta em velocidade de “tempo real”. É o que se pode chamar de revolução da comunicação e do conhecimento. Todas as atividades humanas estão sendo envolvidas em um período de transição, onde o impacto das redes de comunicação é total no trabalho, na economia, na educação, nas artes e no entretenimento, em todas as camadas sociais.

Os websites, com seus conteúdos infindáveis e particularizados, atendem a milhares de interessados, substituindo o marketing de massa, numa nova economia. Passou a ser cada vez mais obrigatório o domínio da linguagem do campo tecnológico digital, para que a informação possa ser gerada, processada e transmitida.

A informação exige cada vez mais tempo e atenção das pessoas e a internet invade a privacidade dos indivíduos. Chegamos ao nível em que o excesso de informação afeta a capacidade de memorização e processamento das informações no cérebro. O apelo exercido pelo excesso de informação que nos chega através das mídias e da internet é de volume tão grande que chega a levar-nos ao estresse e baixa concentração em outras atividades.

As novas tecnologias de comunicação estão obrigando as empresas e instituições a mudarem os seus modelos organizacionais para podem se adaptar às condições provocadas pela rápida transformação tecnológica e econômica. Hoje é importante o princípio de formação de redes, que da internet migrou para as empresas. Além disso, ganhou força o trabalho com horário flexível e o trabalho on-line, que une as unidades de uma empresa em tempo real. Essas modificações trabalham para permitir atender às exigências cada vez maiores de eficiência, num contexto global de competitividade. A prioridade é transferida para a competência e as habilidades, em detrimento de um rígido esquema de horário de trabalho. Assim a capacidade de processar informações existentes e elaborar novos dados de forma criativa passou a ser buscada como o diferencial no mercado de trabalho.

Dessa forma, as tecnologias da informação partem de conhecimentos já existentes para novas formas de conhecimento em aplicações em todos os campos de atividade e esperamos que essa transformação definitiva seja cada vez mais acessível, a um custo cada vez menor, mantendo a qualidade.

Sobre o autor: Regina Di Ciommo

Mestrado e Doutorado em Sociologia pela UNESP – Universidade Estadual Paulista, pós-doutorado em Recursos Naturais com especialização em Ecologia Humana. Pesquisadora da Universidade Estadual da Bahia, em Ilhéus, é professora de cursos de pós-graduação. Coordenadora e membro de projetos de desenvolvimento local e sustentabilidade, no estado de São Paulo e Bahia.


Discussão

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário

Os comentários estão encerrados.